segunda-feira, 23 de novembro de 2009

LEIS??? ISSO É COISA QUE SÓ SE APLICA AOS OUTROS

Pois é!
Ao que parece as leis não são para cumprir.
Como se não bastasse as interpretações abusivas sobre o direitos aos transportes públicos gratuitos pelo pessoal da Polícia Marítima levados a cabo por uns quantos senhores, que teimam em não conceder o passe social ou a compensação devida por esse direito.
Eis que relativamente ao Horário de Trabalho, tambémteimam em não fazer cumprir, também a lei.
Sob a desculpa de ter que o CGPM aprovar os horários de funcionamento dos serviços e de definir o serviço de piquete, continuamos a ver ilustradas nas escalas de serviço dos mais diversos comandos policiais, cargas horárias excessivamente para além das 36 horas semanais.
Vejamos o caso de Lagos:
1º dia - 24 horas de piquete
2º dia - 8 de retem
3º dia – folga (????? Não sabemos onde)
4º dia – 24 horas de adjunto ao piquete
5º dia – 8 horas de retém
6º dia – folga (igual ao 3º dia)
7º dia – 24 horas de piquete
Tudo somado, temos a “módica quantia” de 88 horas, mas isto, claro, preto no branco, pois que ao que parece, após os reténs e nas folgas, não são raros os serviços inopinados onde o pessoal é obrigado a participar em operações.
Sabemos de casos semelhantes noutros comandos, alguns porventura piores.
Fica aqui apenas uma questão, quem assumirá a responsabilidade por acidentes que possam ocorrer, durante o serviço ou até fora dele, por o pessoal estar impedido de descansar por tão largos períodos de trabalho?

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

SWAT - POLICIA MARITIMA

video


(in) youtube versão integral

Apesar dos "vícios" na autoria do video, não podemos deixar de enaltecer a produção do mesmo.
Há muito que era esperado um trabalho deste tipo, onde os "actores", são todos protagonistas.
A todos, sem excepção, os nossos sinceros parabéns.
Calculamos que vozes se levantarão para criticar e erguer bandeiras contra as missões destes homens.
Nós dizemos, por todo o empenho e sacrifício, destes e daqueles que mantém a operacionalidade da Polícia Marítima, apesar da escassez de "mão-de-obra". Bem Hajam.